segunda-feira, maio 24, 2010

Fundamentos de Raja Yoga

video
Tradução do áudio em português:

Bem-vindo ao programa “Fundamentos de Raja Yoga” da Fundação Brahma Kumaris. Essa apresentação poderá responder questões fundamentais que intrigam a humanidade desde a pré-história: Quem sou eu? O que sou? O que é a consciência humana? Qual é a nossa verdadeira identidade? Como podemos conectar o nosso eu verdadeiro, o eu superior? Primeiramente analisemos essa última questão.

Quando nos olhamos no espelho, vemos simplesmente um rosto refletido em nossa direção. O reflexo no espelho mostra o externo. Na vida diária, do mesmo modo, aquilo que vemos não é necessariamente a verdade total. Para compreendermos plenamente a nós mesmos, precisamos olhar para dentro. A espiritualidade nos torna conscientes de duas partes do nosso eu: uma é o nosso corpo; a outra, sutil e invisível, é o nosso ser. O corpo é visível e previsível, mas o ser é uma força incógnita: a alma, invisível a olho nu e pouco compreendida. O Raja Yoga a define alma como um minúsculo ponto de energia luminosa. Ela é a força animadora de vida que dá movimento ao nosso corpo.

Os problemas humanos, em sua maioria, existem porque esquecemos do nosso eu interior. Ficamos apenas no mundo exterior dos reflexos e multiplicidades não-substanciais. Quando temos consciência da nossa identidade espiritual, isso muda a nossa percepção e passamos a enxergar as coisas e as pessoas de modo diferente. Quando enxergamos a alma, ficamos cegos às questões de classe social, cultura, idioma ou nacionalidade. Não vemos mais o hindu, o muçulmano, o cristão, o chinês, o europeu, o africano. Vemos apenas seres espirituais, irmãos e irmãs de uma mesma família: a humanidade. Adentramos a clareza, a paz e a quietude do Raja Yoga. A meditação nos mostra essa verdade e isso muda tudo.

Enxergar a beleza e a força da alma desperta todas as qualidades e virtudes. As cores do eu ganham vida. Paz, amor, felicidade e bem-aventurança fluem para o interior da consciência. Já não estão mais fora de alcance, mas são a própria natureza tangível e verdadeira de cada um de nós. Ao longo do dia, reservemos alguns momentos para lembrar e sentir repetidas vezes o que é ser simplesmente uma alma pura e pacífica.

É obvio que todos somos almas. Cada resposta abre novas perguntas. Sabemos que somos almas puras, pacíficas e eternas, mas de onde viemos? Para onde iremos quando terminar o nosso tempo aqui na Terra? Como podemos pensar sobre a nossa continuidade?

É importante conhecer o nosso próprio ser de modo verdadeiro. Igualmente importante é saber o que existe além do universo conhecido e alcançar o nosso mundo original.

A Ciência nos deu a conhecer a nossa galáxia e as estrelas, mas além disso existe uma outra região fora do alcance da ciência. Somos capazes de ir até lá com a nossa compreensão e experimentar essa região através da nossa mente. A mente humana é uma potência de tamanha magnitude que num segundo pode alcançar qualquer lugar. O mundo incorpóreo é o antigo lar da alma, onde todos habitamos ao longo da eternidade. É um espaço de luz própria, dourada, vermelha, inacessível ao corpo material.

Todos somos capazes de reconhecer nossa casa terrena. No entanto, poucos conhecem a morada espiritual ou sequer pensam sobre isso. Tão logo possamos compreendê-la e experimentá-la em nossas mentes, fica fácil reconhecê-la. O mundo da alma é um reino de paz e silêncio profundo. Toda vez que desejarmos, poderemos acessá-lo através da meditação.

O Raja Yoga não é uma disciplina difícil, é uma prática muito simples. É apenas uma questão de consciência, uma questão de resgatar uma antiga lembrança e voltar ao momento em que estávamos lá no mundo da alma, reluzindo em perfeita paz e harmonia. Essa lembrança é o Yoga. Nós, almas, flutuávamos no espaço como estrelas reluzentes, mergulhadas no silêncio e na paz. Tudo o que temos a fazer é pensar sobre esse estado de ser. Apesar de estarmos aqui num corpo físico, podemos sentir esse silêncio de outrora em sua profundidade.

Os astronautas sempre admiraram a profunda imensidão e o silêncio do espaço. No entanto, mais profunda é a paz e a quietude do mundo da alma, repleto de bem-aventurança. Toda vez que desejarmos, poderemos fazer uma viagem mental a esse mundo silencioso e assimilar toda a sua quietude. Ele é a morada da paz, onde podemos assimilar toda a serenidade e tranquilidade que quisermos. Lá existe tão somente a paz pela paz.



TRANSCRIÇÃO DO ÁUDIO ORIGINAL EM INGLÊS:

Essentials of Raja Yoga

Welcome to the Essentials of Raja Yoga, brought to you by the Brahma Kumaris. This presentation can give you answers to the most basic and intriguing questions which have concerned humanity since before recorded history. Who am I? What am I? What is human consciousness? What is our true identity? And how can we connect to our true or higher self? Let us explore that first.

When we look into the mirror, we see our face simply reflecting back to us. Our mirror reflection shows us only the outside. Like what we see in life it is not necessarily the whole truth. To understand ourselves fully, we need to look within. Spirituality makes us aware of two parts of ourselves: one is our body and the other, subtle and invisible part, is our being. Our body is visible and obvious but our being is an incognito power: our soul, invisible to the eye and little understood. Raja Yoga defines it as a tiny luminous energy point. It's the animating force of life that moves our bodies.

Most human problems exist because we forget our inner selves. We just stay in the outer world of reflections and insubstantial varieties. When we are aware of our spiritual identity, it changes our perception and we see things and people differently. When we see the soul, we are blind to the vision of cast, culture, language or nationality. We don't see Hindu, Muslim, Christian, Chinese, European or Afrikan. We see only spiritual beings, brothers and sisters of the human family.
We enter into the quiet peace and clarity of Raja Yoga, and meditation shows us the truth of this, and it changes everything.

To have seen the beauty and power of the soul awakens all the qualities and virtues. The colors of the self come alive. Peace, love, happiness and the feeling of fortune flow into our consciousness. They are no longer beyond our reach but the tangible and real nature of each of us. Throughout the day take moments to remember and feel again what it's like simply just to be a pure and peaceful soul.

Now it's clear that we are all souls. Each answer opens up new questions. We know that we are pure peaceful eternal souls but where do we come from? And where do we go when our time here on Earth is completed? How can we think about our continuity?

It is important to know our own selves truly. And it is also very important to know what lies beyond our familiar universe and reach the world of our origins.

Science has told us about our galaxy and the stars, but beyond this is another region outside the range of science. We can go there with our understanding and experience it through our minds. Our human mind is such a power that it can reach anywhere within a second. The incorporeal world is the ancient home of souls, where we all dwell in eternity. It is a golden, red, self-luminous space, unreachable in our material bodies.

All of us can recognize our worldly homes but in this world there are very few who know their spiritual home or have even thought about it. Once we have understood it and experienced it in our minds, it becomes easy. The world of soul is a realm of deepest peace and silence. Whenever we wish, we can go there in meditation.

Raja Yoga is not a hard discipline, but a very simple practice. It is just a matter of awareness and recalling an ancient memory, returning to the time when we were there, shining in perfect peace. This remembrance is Yoga. We, souls, used to float in luminous space like stars silently and peacefully. All we have to do is think about this state of being, even though we are here in our bodies, we can feel that ancient and profound silence.

Astronauts have wondered at the vastness and the silence of deep space, but the peace and the stillness of the world of souls is far deeper and filled with the feeling of bliss. Whenever we wish we can make the mental journey to that silent world and fill ourselves with quiet. This is our home of peace, where we can fill ourselves with as much serenity and tranquility as we want. Out there, there is only peace upon peace.